QQQR8619

Dando continuidade aos trabalhos da Oficina de criação do Plano Nacional de Formação dos (as) trabalhadores (as) de ATER, dirigentes de entidades representativas de várias regiões do País, filiadas à FASER, participaram nesta terça-feira de uma mesa de debates com lideranças de movimentos sociais. O tema debatido foi transformações no mundo do trabalho e no campo brasileiro e seus impactos nas políticas agrícola e agrária e setor público de ATER e da Pesquisa Pública.

Em análise sobre o papel do extensionista do setor público, Wagner Vieira Martins,  do Movimento dos Sem Terra (MST – MG) alerta que devido à falta de interesse político e diminuição do corpo técnico, não prioriza a produção agroecológica: “A demanda por assistência técnica dos assentados, quando direcionada às empresas públicas de ATER, se depara muitas vezes com um corpo técnico preparado para o mercado, com indicações de compostos químicos, o que vai na contramão do desejo dos agricultores assentados, que buscam uma produção com base agroecológica. Nosso anseio é pela valorização da ATER pública mais voltada para uma capacitação que priorize a qualidade dos alimentos produzidos e o bem estar dos agricultores e sociedade em geral.”

Adilson Pereira, coordenador da Escola 7, local onde está sendo realizada a oficina, avalia o papel do espaço na formação dos trabalhadores:  “A Escola Sindical 7 de Outubro possui um papel fundamental enquanto braço do processo de formação nacional da CUT, nosso papel é formar e preparar os trabalhadores para a luta contra esse processo nefasto que avança contra a classe trabalhadora e a sociedade, com crescimento cada vez maior da retirada de direitos na conjuntura pós golpe de 2016.”

Padre Claré, do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) reforçou a necessidade de conscientização dos trabalhadores e sociedade, do contexto em que estão inseridos: “Se queremos um processo formativo eficiente, precisamos mexer com a cabeça das pessoas. Não basta só o sentimento, é preciso trabalhar a conscientização das pessoas sobre o período de ruptura democrática e de direitos que vivemos, a partir de pessoas que já sofrem o impacto na pele. É preciso pensar no porquê e para que é necessária a formação, ou seja, qual o projeto de trabalhadores e de sociedade que se busca com tal formação.”

O secretário de formação da CUT-MG, Gilmar de Souza Pinto, lembra os dirigentes sobre a importância da vivência no processo de formação sindical: “Vivenciamos uma contradição neste momento em que a necessidade de formação se faz tão necessária, mas esbarra nas dificuldades financeiras. Apesar dos desafios, temos que perseverar e entender que o conhecimento, a partir da vivência, é fundamental no processo de formação. O trabalhador precisa reconhecer a importância do seu trabalho. O processo formativo deve auxiliar nesta conscientização e lhe empoderar a analisar com capacidade crítica todo o processo em que está inserido, de forma que ele consiga compreender como e onde são tomadas as decisões que impactam diretamente no seu trabalho.”

Samir Seródio, presidente da Associação dos Servidores do Incaper (Assin) fez uma contextualização histórica sobre a política de extensão rural no País, ressaltando a criação do MDA, ocasião em que há o fortalecimento de uma política nacional de ATER, projetada pelo decreto 4739/2003, de extrema importância para iniciativas como a agroecologia, metodologia participativa e construção coletiva com diversos movimentos sociais, trazendo avanços, principalmente,  na relação entre extensionistas e movimentos sociais. Após a promulgação da Lei 12.188 de 2010, que instituiu a nova política nacional de Ater, um dos princípios retirados é a agroecologia, o que motiva uma série de críticas à relação como se executa as chamadas públicas, dificultando a relação entre a Anater e os projetos que ela propõe para as empresas públicas, gerando um afastamento e dificultando acesso de parceiros, movimentos sociais e das próprias empresas de extensão aos recursos públicos. Na visão do dirigente, é de suma importância uma discussão conjunta e inclusiva da ATER: “ O papel da Faser, neste momento, é ouvir os trabalhadores da extensão e pesquisa, os representantes da agricultura familiar, juntamente com movimentos sociais e criar um plano que alinhe as necessidades dos agricultores e trabalhadores, com foco na qualidade de vida e na agroecologia.”

As discussões terão prosseguimento nos dias 20 e 21/6, oportunidade em que os dirigentes darão andamento à construção do Plano Nacional de Formação.

Newsletters

Cadastre seu email para receber notícias